Classificados

VÍDEOS

Apaixonados por carros antigos se reúnem em Penápolis
Agrosoles - Bombeamento de Água por Energia Solar

SUA OPINIÃO

Você concorda que a lista de espera para cirurgias e exames em Penápolis deve ser divulgada para acompanhamento dos pacientes?


CLIMA

Tempo Penápolis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endereço Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

CIDADE & REGIÃO

18/07/2018

Saúde Mental: Entrega de medicamentos será regularizada em 60 dias

Imagem/Secom – PMP
Detalhes Not�cia
Prefeito destacou que a distribuição de medicamentos será normalizada em até 60 dias para os pacientes de Penápolis

Para suprir a falta de medicamentos que os pacientes de Penápolis enfrentam no Caps (Centro de Atenção Psicossocial), a Saúde Mental, a Prefeitura fará a compra e a distribuição dos remédios diretamente no sistema básico de saúde. A previsão é que em no máximo 60 dias, os itens já estejam disponíveis para a população. 
Além dos medicamentos, os exames laboratoriais solicitados pelos médicos que atendem na Clínica de Especialidades também passaram a ser feitos diretamente pela Prefeitura. A mesma situação acontecerá com os medicamentos. A Prefeitura já iniciou o processo licitatório para a compra de 27 medicamentos. 
Segundo o prefeito Célio de Oliveira, a licitação deverá ser concluída entre 45 a 60 dias. “Após esta licitação, a distribuição de medicamentos será normalizada para os pacientes de Penápolis. A Prefeitura já tomou a mesma medida para regularizar os exames laboratoriais e fará o mesmo para a distribuição de medicamentos”, afirmou.
Após a conclusão do processo licitatório, os medicamentos serão distribuídos nas Macros de Saúde I (Mutirão), II – Postão e na Macro III (Santa Terezinha). 

Dificuldades
O prefeito afirmou que o grande problema é que a demanda existente não é coberta pelos recursos repassados pelo Governo Estadual e Federal. “Quando foi criado o Consórcio Intermunicipal de Saúde, ele era custeado em 80% com recursos estaduais e federais e 20%, pelas Prefeituras. Ao longo desses 30 anos, houve uma inversão neste custeio, com as Prefeituras bancando 80% do Cisa”, destacou.
“Hoje isso não é possível, pois as Prefeituras não suportam tal despesa, não há arrecadação suficiente para custear o serviço. Os municípios não têm condições de suprir a carência de recursos do governo estadual e federal. Temos uma tabela SUS que não é reajustada há 18 anos, enquanto todos os serviços, insumos e equipamentos são reajustados”, enfatizou.
Ainda segundo o prefeito, a única solução seria que os Governos do Estado e Federal olhassem com mais eficiência na distribuição de recursos para os municípios e na correção dos valores.
“Para manter o Cisa, é necessário investir cerca de R$ 600 mil mensais. Um terço de valor é custeado pelos governos estadual e federal. O restante é de responsabilidade das Prefeituras. No caso de Penápolis, o investimento é de R$430 mil, incluindo o repasse das verbas do SUS referentes aos pacientes penapolenses e de recursos próprios. Atualmente o município não suporta tal despesa. Só de recursos próprios, são investidos cerca de R$200 mil mensais”, finalizou o prefeito.

Secom – PMP

VEJA TODAS AS NOTÍCIAS

© Copyright 2019 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.