Classificados

VÍDEOS

Agrosoles - Bombeamento de Água por Energia Solar
Apaixonados por carros antigos se reúnem em Penápolis

SUA OPINIÃO

Você tem respeitado a quarentena e ficado em casa neste período de pandemia?


CLIMA

Tempo Penápolis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endereço Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

CIDADE & REGIÃO

20/12/2017

Perigo: Crianças pedem “boas festas” e se arriscam nos semáforos

Imagem/Rafael Machi
Detalhes Not�cia
Crianças e adolescentes foram flagradas pedindo “boas festas” no semáforo da Leandro Ratisbona

DA REPORTAGEM

Uma cena tem chamado a atenção de motoristas que param em semáforos da cidade e também do Conselho Tutelar de Penápolis. Crianças estão enfrentando o perigo do trânsito para pedir “boas festas” aos condutores que acabam parando nas vias. Não existe uma regulamentação que proíba o adolescente de pedir dinheiro nos semáforos, entretanto, segundo a coordenadora do Conselho de Penápolis, Alina Rahal, eles acabam expostas a um perigo muito grande ao circular entre os carros, podendo ser atropeladas. 
O fato foi constatado pela reportagem do DIÁRIO DE PENÁPOLIS na manhã desta terça-feira (19) no cruzamento da avenida Leandro Ratisbona de Medeiros com a rua Antonieta Vilella Ferreira, onde três adolescentes se arriscavam em meio aos carros pedindo dinheiro para os motoristas. Bastava o semáforo fechar e os primeiros carros pararem para eles se aproximarem das janelas e pedirem. Muitos motoristas se negaram a ajudar com qualquer valor, mas não foi difícil ver aqueles que, se sensibilizavam com a situação, e acabavam ofertando suas moedinhas. 
“A principal recomendação do Conselho Tutelar é a de que o motorista não ajude estas crianças no semáforo com dinheiro. Isso as estimula a retornarem e pedir mais, sempre ficando expostas ao enorme risco de graves acidentes, pois quando o semáforo abre, os carros começam a circular entre estas crianças e adolescentes”, explicou Aline. 

Incidência
Segundo a coordenadora do Conselho Tutelar, neste ano aumentou o número de denúncias de pessoas que se deparam com esta situação. Além disso, as próprias conselheiras constataram que o número de crianças pedindo é maior neste ano do que em 2016. “Além de percebermos esta maior movimentação, constatamos que elas começaram a pedir mais cedo. Como estamos em férias escolares, elas vão pela manhã e também a tarde”, explicou. Por diversas vezes as conselheiras tutelares foram aos locais onde está havendo a incidência de crianças. “Sempre quando elas nos vêem, acabam fugindo. Quando conseguimos fazer a abordagem, conversamos com elas e tentamos explicar os perigos do ato, mas bastou virarmos as costas que elas retornam”, afirmou. Aline destacou também o fato de poder existir a exploração dos pais nesta prática. “Quando temos um adolescente pedindo ‘boas festas’ no semáforo, muitas vezes eles acabam fazendo por conta própria, mas quando vemos crianças neste mesmo ato, acreditamos que há a exploração de adultos ou até mesmo de outros adolescentes, o que nos deixa preocupadas em estar sempre apurando uma situação como esta”, destacou. “Infelizmente isso tem se tornado comum. Crianças cada vez menores estão sendo exploradas para sensibilizarem as pessoas, que acabam dando o dinheiro”, ressaltou.

Ameaças
Não somente o ato de pedir, mas as ameaças que motoristas têm sofrido quando se recusam a ajudar acaba sendo uma preocupação constante. “Isso acontece principalmente com adolescentes. Quando um condutor se recusa a ajudar, alguns deles começam a xingar a pessoa, ameaçam riscar o carro, entre outras coisas que, infelizmente temos constatado”, afirmou Aline. 
Caso um motorista seja ameaçado ou sofra qualquer dano, ele pode acionar a Polícia Militar através do 190.
O Conselho Tutelar de Penápolis tem trabalhado constantemente a situação e atuado de forma inibir este tipo de ação. Caso as pessoas constatem a situação de risco ou exploração de crianças e adolescentes, o Conselho pode ser acionado através do telefone 3652-7862, das 08h00 ás 17h00 de segunda a sexta-feira. Nos demais dias e horários o telefone disponível é o 99723-7776.

(Rafael Machi)

VEJA TODAS AS NOTÍCIAS

© Copyright 2020 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.