Classificados

VÍDEOS

Apaixonados por carros antigos se reúnem em Penápolis
Agrosoles - Bombeamento de Água por Energia Solar

SUA OPINIÃO

Você tem respeitado a quarentena e ficado em casa neste período de pandemia?


CLIMA

Tempo Penápolis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endereço Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

CIDADE & REGIÃO

21/04/2018

Família Acolhedora: Assistência Social estuda implantação de programa

Imagem/Secom – PMP
Detalhes Not�cia
Para a implantação do projeto, a secretária de Assistência Social participou de uma capacitação

A Secretaria Municipal de Assistência Social e Cidadania iniciou estudos para a implantação do Programa “Família Acolhedora” em Penápolis. Esta é uma alternativa ao acolhimento institucional de crianças e adolescentes em situação de risco, afastadas de suas famílias por ordem judicial.
Para isso, a secretária da pasta, a assistente social Suely Valdstein de Queiroz, participou de uma capacitação realizada em São Paulo, no mês de março. A formação foi ministrada pela assistente social e coordenadora do “Família Acolhedora” na cidade de Cascavel (PR), Neusa Eli Figueiredo Cerutti, uma das pioneiras na implantação do Programa.
Segundo a secretária municipal, o curso mostrou o funcionamento do programa e os benefícios trazidos às crianças nesta situação. “O acolhimento familiar é uma medida protetiva, temporária e excepcional, prevista no ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) e é uma alternativa ao acolhimento em abrigos ou casas lares”, explicou.
“Neste caso, a criança ou adolescente é acolhido em uma família de forma temporária, ao invés do acolhimento institucional. Vale ressaltar que o acolhimento não é o mesmo que adoção. Durante o período de acolhimento, serão realizados diversos esforços para que a criança retorne a família de origem ou seja encaminhado para adoção”, esclareceu Suely.
“Portanto, adoção e acolhimento são propostas diferentes. A adoção segue outros trâmites legais e não privilegia a família acolhedora. Neste programa, o objetivo é reintegrar a criança à sua família de origem. A família acolhedora deve auxiliar na preservação do vínculo e a convivência com a família biológica”, complementou.
Para ser uma família acolhedora, é necessário atender alguns requisitos, ser avaliada e participar de uma formação para acolher a criança ou o adolescente. As famílias também são acompanhadas por uma equipe técnica, tendo todo o suporte da rede municipal, inclusive da Secretaria de Assistência Social. Todo o processo é realizado com o apoio do Poder Judiciário, Conselho Tutelar e demais órgãos da rede pública.

Secom – PMP

VEJA TODAS AS NOTÍCIAS

© Copyright 2020 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.