Classificados

VÍDEOS

Apaixonados por carros antigos se reúnem em Penápolis
Agrosoles - Bombeamento de Água por Energia Solar

SUA OPINIÃO

Você tem respeitado a quarentena e ficado em casa neste período de pandemia?


CLIMA

Tempo Penápolis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endereço Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

CIDADE & REGIÃO

02/11/2018

Crianças são flagradas pedindo dinheiro em cemitério

Imagem/Rafael Machi
Detalhes Not�cia
Criança com bicicleta pede dinheiro e é atendida por senhor que tira nota da carteira

DA REPORTAGEM

Hoje, dia 02, celebra-se o dia de Finados e a data leva milhares de pessoas aos cemitérios de Penápolis, principalmente ao maior e mais antigo, a Necrópole Santa Cruz, para lembrar e rezar por seus entes falecidos e sepultados nestes locais. Entretanto, a intensa movimentação de pessoa durante todo o dia acaba atraindo ao local dezenas de crianças que aproveitam a oportunidade para pedir dinheiro aos que passam pelo local. 
A grande movimentação destas crianças tem ocorrido desde da manhã desta quinta-feira (01), quando muitas pessoas se antecipam para as visitas ou até mesmo para realizar a limpeza dos túmulos. 
A reportagem do DIÁRIO esteve no local na manhã de ontem e flagrou diversas crianças, muitas delas se arriscam em meio ao trânsito para pedir dinheiro. A principal tática das crianças e adolescentes que atuam no local é pedir ao proprietário do veículo que chega ao cemitério para cuidarem do carro. 
Quando os proprietários retornam, elas acabam pedindo uma quantia em dinheiro como forma de agradecimento. O problema se agrava quando um motorista se recusa a dar, ele acaba sendo ameaçado de ter seu veículo danificado. Neste dia de Finados, em especial próximo ao cemitério, é comum ver motoristas reclamando que tiveram seus veículos danificados. 
Algumas crianças e adolescentes preferem simplesmente abordar a pessoa que chega ao cemitério, seja motorista ou pedestre, para pedir dinheiro. 

Preocupação
O caso não é novidade em Penápolis e o DIÁRIO já mostrou o problema que ocorreu em outros anos próximo ao cemitério e também em outros locais da cidade, quando crianças e adolescentes se arriscam em meio aos veículos em um semáforo, por exemplo, para pedir dinheiro. 
Em dezembro do ano passado, por exemplo, crianças foram flagradas pela reportagem em um semáforo pedindo “boas festas” para os motoristas que paravam no local. Em muitos momentos, eles se arriscavam em meio ao trânsito. 
O assunto também já foi discutido pelo Conselho Comunitário de Segurança de Penápolis, que debateu o problema e cobrou ações do poder público em relação aos riscos em que as crianças e adolescentes são expostas, muitas vezes sendo exploradas por outras pessoas para pedir dinheiro em diferentes locais. 

Conselho
O Conselho Tutelar de Penápolis afirmou que tem feito um trabalho de conscientização com crianças e adolescente nos lugares em que são vistas pedindo dinheiro. 
Segundo a conselheira Darlene de Souza Zanetti, no caso específico do cemitério, o Conselho tem ido ao local na tentativa de abordar estas crianças. “Temos dois problemas nesta ação, o primeiro é que quando as crianças e adolescentes nos veem chegando, acabam fugindo sem nos dar a oportunidade de conversar. O outro problema é que muitas delas, mesmo com a devida orientação, acabam retornando após nossa saída e novamente passam a pedir”, afirmou. 
Segundo ela, existe um projeto de panfletagem e trabalhos de conscientização para que as pessoas não deem dinheiro, não importando o lugar onde estejam pedindo, pois isso faz com que a criança seja incentivada a pedir e quando ela retorna, ficar exposta aos riscos, como o de ser atropelada, já que, muitas vezes, fica andado entre carros na rua”, disse. “Ressaltamos que pedir dinheiro não é crime, mas a criança fica a exposta a uma situação de vulnerabilidade e outros riscos ao ficar andando com dinheiro, muitas vezes deixando de ir à escola, prejudicando seu crescimento através da educação”, finalizou a conselheira.

(Rafael Machi)

VEJA TODAS AS NOTÍCIAS

© Copyright 2020 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.