Classificados

VÍDEOS

Agrosoles - Bombeamento de Água por Energia Solar
LIVE SOLIDÁRIA BANDA TUNA

CLIMA

Tempo Penápolis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endereço Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

CIDADE & REGIÃO

01/11/2011

Começa a segunda fase de vacinação contra aftosa

DA REDAÇÃO

Depois de Roraima, Rondônia e Amapá, que iniciaram a imunização dos seus rebanhos em outubro, outros 19 estados brasileiros começam a segunda etapa da campanha nacional de vacinação contra a aftosa nesta terça-feira, 1. A previsão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) é vacinar cerca de 160 milhões de bovinos e bubalinos ao longo dessa fase. A meta anual é proteger todo o rebanho da zona livre de febre aftosa com vacinação - 205,6 milhões de animais - e superar o índice de cobertura vacinal alcançado em 2010, que foi de 97,4%. A exceção é o Estado de Santa Catarina, que constitui uma zona livre da doença sem uso da vacinação. Em Pernambuco, Piauí, Maranhão e no Pará – onde a imunização estava prevista para começar no dia 1º de novembro –, a aplicação das doses foi transferida para 14 de novembro. A mudança faz parte dos preparativos para o estudo soroepidemiológico. O levantamento integra o processo para obtenção do reconhecimento de zona livre de aftosa com vacinação junto à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). A meta do governo brasileiro é transformar todo o território brasileiro imune da doença com vacinação até 2013. Na maioria das unidades federativas, os rebanhos bovinos e bubalinos de todas as idades devem ser vacinados. Já na Bahia, Goiás, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Tocantins e no Distrito Federal apenas os animais com idade abaixo de 24 meses serão imunizados. A região pantaneira de Mato Grosso do Sul será a último a finalizar o processo em 15 de dezembro. O Ministério orienta os produtores rurais para que respeitem os cuidados para a correta imunização dos bovídeos. As recomendações são: vacinar dentro do período estabelecido; adquirir vacinas em revendas autorizadas; conservar em temperatura correta (de 2 a 8°C) até o momento da aplicação; injetar na região da tábua do pescoço com agulhas e seringas em bom estado e limpas; e manejar os animais com o mínimo de estresse e nos horários mais frescos do dia. Após o término da vacinação, a declaração deve ser levada até os escritórios do serviço veterinário oficial no prazo estabelecido em cada estado.

VEJA TODAS AS NOTÍCIAS

© Copyright 2020 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.