Classificados

VÍDEOS

LIVE SOLIDÁRIA BANDA TUNA
Agrosoles - Bombeamento de Água por Energia Solar

CLIMA

Tempo Penápolis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endereço Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

CIDADE & REGIÃO

16/03/2018

Bololat processará 1 milhão de litros de leite por dia

Imagem/Rafael Machi
Detalhes Not�cia
Indústria Bonolat está sendo instalada em Penápolis para o processamento de leite e outros materiais da matéria-prima

DA REPORTAGEM

A unidade da Bonolat de Penápolis será a segunda do Grupo Asperbras. A fábrica de leite longa vida, instalada em Penápolis, com investimento de R$ 60 milhões, vai processar um milhão de litros de leite por dia. O triplo da produção da planta de Itapagipe (MG), onde são envasados 300 mil litros diários. “Estamos trabalhando para prestigiar a região de onde viemos”, pontua José Roberto Colnaghi, da Asperbras, ao frisar que a empresa começou justamente em Penápolis, a partir de uma revenda de implementos agrícolas que pertencia à família. Estão previstas ainda iniciativas de incentivo da empresa junto aos fornecedores locais. Por intermédio da Bonolat, esses produtores receberão incentivos nas áreas de tecnologia, financiamento para aquisição de vacas e melhoramento genético. A ideia é reproduzir as mesmas condições que a empresa criou ao se instalar em Minas. Segundo técnicos do agronegócios da região, a usina Bonolat, do Grupo Asperbras em Penápolis, deve fomentar o agronegócio, se tornando mais uma opção aos produtores rurais das cidades vizinhas a Penápolis, tendo como área de abrangência inclusive Araçatuba. Expectativas do setor apontam que mesmo com boa parte de áreas sendo usadas para o cultivo de cana-de-açúcar, a produção láctea não sofreu descontinuidade ou teve diminuição de litragem, o que se espera é que o produtor rural fará um rearranjo na produção de pastagem, em que haverá ampliação de área do gado leiteiro em consonância com a produção da cana. O foco recai sobre não refrigerados, como leite em pó e, creme de leite e leite condensado. Em outra vertente, serão produzidos leites especiais, sem lactose e uma linha enriquecida com vitaminas. E, ao final do processo, também serão acrescentadas manteigas e queijos.

(Rafael Machi)

VEJA TODAS AS NOTÍCIAS

© Copyright 2021 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.

Política de Privacidade