Classificados

VÍDEOS

Morre o cantor sertanejo Davi, da dupla com Durval
Agrosoles - Bombeamento de Água por Energia Solar

SUA OPINIÃO

Você concorda com a aplicação de multa de R$ 500 para quem não estiver usando máscaras em locais com circulação de pessoas?


CLIMA

Tempo Penápolis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endereço Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

CIDADE & REGIÃO

11/10/2018

Avião de William Sakr não teve pane seca, afirma laudo do IC

Imagem/Arquivo DIÁRIO
Detalhes Not�cia
O avião em que estava o empresário penapolense e outras duas pessoas caiu, em 2017, no quintal de uma casa há 300 metros do aeroporto de Rio Preto

DA REPORTAGEM

O Instituto de Criminalística (IC) de São José do Rio Preto descartou que a queda do avião em que estava o empresário penapolense William Rayes Sakr, naquela cidade há um ano, no dia 09 de outubro de 2017, tenha ocorrido por pane seca. Sakr pilotava um monomotor quando, por motivos a serem apurados, caiu no quintal de uma residência em Rio Preto, localizada a 300 metros do aeroporto onde ele deveria ter pousado. Sakr, que tinha 59 anos, estava acompanhado do médico Allyson Lima Verciano, de 33 anos, e do empresário Caique Caciolato, de 25, que também morreram no acidente.
De acordo com o documento emitido pelo IC, no local do acidente havia forte odor de combustível quando os peritos chegaram para as primeiras análises. O documento cita ainda que os bombeiros faziam a limpeza do produto derramado, por isso não é possível afirmar que a causa foi por pane seca. O documento não descartou que, apesar de haver combustível, a quantidade fosse insuficiente para manter o motor funcionando de forma plena, o que pode ter ocasionado falha do motor durante a manobra de vôo. Também não é descartada a hipótese de falha mecânica ou humana.
O laudo do IC vai contra a informação preliminar fornecida pela Força Aérea Brasileira (FAB) em abril deste ano, quando existia a possibilidade de que a queda da aeronave tivesse sido ocasionada pela falta de combustível. Entretanto, na época, a FAB havia ressaltado que a informação era superficial e que se baseava nos dados coletados a partir das evidências do acidente. O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) continua investigando o acidente e permanece sem data para finalizar os trabalhos. 
O Ministério Público de Rio Preto também acompanha a investigação. 

Acidente
De acordo com o que foi apurado na época do acidente e divulgado, os três ocupantes da aeronave saíram da cidade de Tangará da Serra (MT) no início da manhã e seguiam para Rio Preto, onde pousariam. No início da tarde, Sakr, que pilotava o avião, perdeu o controle da aeronave e caiu no quintal de uma residência que fica no Jardim Alto Rio Preto. Ele e os outros dois ocupantes morreram no local. Na casa, havia três pessoas, mas nenhuma delas se feriu.
Segundo o site da Anac, a aeronave, de prefixo PT-DDB, é um monomotor da empresa americana Beech Aircraft estava com a matrícula regular junto ao órgão. O avião estava registrado em nome do Sakr Hotel, empresa pertencente ao empresário e que fica em Penápolis. Ele era proprietário de outros dois hotéis na cidade e possuía empreendimentos em Rio Preto.

(Rafael Machi)

VEJA TODAS AS NOTÍCIAS

© Copyright 2020 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.