Classificados

VÍDEOS

Apaixonados por carros antigos se reúnem em Penápolis
Agrosoles - Bombeamento de Água por Energia Solar

SUA OPINIÃO

Você se preocupa em não compartilhar informações falsas sobre o Covid-19 em redes sociais na internet?


CLIMA

Tempo Penápolis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endereço Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

CIDADE & REGIÃO

15/06/2019

Acidente mata motociclista e pedestre no Parque Industrial

Imagem/Rafael Machi
Detalhes Not�cia
Na manhã seguinte ao acidente, ainda era possível ver marcas no chão e a fita de isolamento usada pela polícia no local

DA REPORTAGEM

O auxiliar de mecânico Bruno Milani da Silva, de 18 anos, e a caixa Camila Rodrigues Garcia, de 24 anos, morreram após um grave acidente ocorrido no início da noite de quinta-feira (13) na rua Antônio Rodrigues Boucinha, no Parque Industrial de Penápolis. O auxiliar conduzia uma motocicleta pela rua quando acabou atropelando a jovem, que fazia caminhada pelo local. Testemunhas disseram que ele estava em alta velocidade e acompanhando de uma pessoa em outra motocicleta quando o acidente ocorreu. O jovem estava ainda com sua carteira de habilitação provisória, que havia tirado há menos de um mês.
De acordo com o que foi apurado, Camila caminhava pela rua acompanhada de seu namorado, um vendedor de 32 anos. Na noite anterior, eles haviam postado fotos em suas redes sociais comemorando o Dia dos Namorados.
Milani conduzia uma Honda CG 125, ano 1987, pela mesma rua, no mesmo sentido de direção. Testemunhas disseram para a polícia que ele estava acompanhado de outra pessoa em uma segunda motocicleta e que ambos estariam em alta velocidade pela via.
Por motivos a serem esclarecidos, Milani acabou atingindo Camila pelas costas. Com o impacto, ela ainda foi arrastada por cerca de 50 metros até que ambos caíram ao chão. O motociclista que acompanhava Milani, fugiu do local sem ser identificado após o acidente.
A Unidade do Corpo de Bombeiros foi acionada ao local e socorreu as vítimas ao Pronto Socorro da cidade, mas eles não resistiram aos ferimentos e acabaram morrendo no hospital. O namorado de Camila não se feriu.
Os corpos das vítimas foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) de Araçatuba para exames necroscópicos e o velório deles teve início por volta das 14h00 desta sexta-feira (14) no Bom Pastor Memorial, que logo no início do velório esteve cheio de amigos e familiares das vítimas. Já o sepultamento de ambos estava previsto para ocorrer na manhã de hoje, sábado (15) no cemitério Jardim da Paz. O sepultamento de Milani as 09h30 e o de Camila as 10h00. 

Investigação
Após o acidente, policiais militares e peritos do Instituto de Criminalística (IC) de Penápolis também estiveram no local para os trabalhos de praxe. Um laudo sobre o acidente deve ser emitido pelo IC em até 30 dias.
A Polícia Civil de Penápolis também já instaurou inquérito sobre o ocorrido e quer saber se Milani, juntamente com o outro motociclista que o acompanhava, tiravam “racha” na rua. Apesar de estarem em alta velocidade, as testemunhas não souberam afirmar se os envolvidos praticavam o racha no momento do acidente. A moto conduzida por Milani foi entregue a um conhecido da família. 

Rachas
Mesmo ainda sob investigação da polícia, moradores próximos do local onde ocorreu o acidente reclamam que é comum motociclistas tirarem racha na extensão da rua, que é considerada “propícia” para o ato por conta da qualidade do asfalto e por ser uma via reta e plana.
Uma mulher, que não quis se identificar, afirmou à reportagem que os rachas acontecem principalmente aos finais de semana, quando os motociclistas aproveitam a menor movimentação da via para apostarem corridas em alta velocidade. “Começa a partir da uma da tarde e vai até as seis horas, é constante a movimentação e o barulho, eu mesma quase fui atropelada uma vez”, destacou.
Segundo ela, o incômodo e o medo são comuns em momentos como estes. “Dá medo, porque eles passam muito rápido. Isso acontece todo final de semana e muitas vezes até mesmo durante a semana, tornando esta rua ainda mais perigosa sem uma lombada ou qualquer outro redutor de velocidade. Era preciso uma maneira de impedir este tipo de prática nesta rua”, ressaltou a moradora.

(Rafael Machi)

VEJA TODAS AS NOTÍCIAS

© Copyright 2020 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.