Classificados

VÍDEOS

Residência pega fogo em Penápolis
Agrosoles - Bombeamento de Água por Energia Solar

CLIMA

Tempo Pen�polis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endere�o Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

CIDADE & REGIÃO

22/03/2009

Água: “Cuidar para não faltar” é o lema do DAEP

Detalhes Not�cia

Aproveitando as comemorações referentes ao Dia da Água, o DIÁRIO DE PENÁPOLIS entrevistou na tarde de sexta-feira, 20, a diretora administrativa e financeira do Daep (Departamento Autônomo de Água e Esgoto de Penápolis), Vera Lúcia Nogueira. Dentre os assuntos que foram abordados, a diretora citou a atuação do órgão no Ribeirão Lajeado, fonte de abastecimento para toda a cidade. Confira a entrevista na íntegra:

Diário - Quais os cuidados que o Daep tem com o Ribeirão Lajeado, de onde é captada a água para o abastecimento da cidade?
Vera - Na realidade são um conjunto de ações que realizamos no município para a preservação do Lajeado feita pelo Consórcio Intermunicipal Ribeirão Lajeado, criado em 1991, cujo objetivo é criar e preservar a bacia. O consórcio atua na bacia hidrográfica com serviços de manejo de solo em propriedades rurais e a recomposição da mata ciliar do ribeirão. Outro serviço que fazemos é a conscientização da população para preservação do local. Iniciamos este trabalho em 2006 com nove municípios, tendo a parceria com o Fundo Nacional do Meio Ambiente, SOS Mata Atlântica na doação de mudas e o Centro de Educação. Vale lembrar que em 1991 a cidade tinha um lixão e o Daep implantou o aterro sanitário. Hoje estamos em uma situação confortável, pois a cidade é abastecida em 100% com água tratada.

Diário - Em 2004, a Rede Globo exibiu uma reportagem onde destacava que a nascente do Lajeado não estava sendo preservada. Essa situação mudou?
Vera - A nascente do Ribeirão Lajeado nasce na cidade de Alto Alegre e sempre foi preservada. Os trabalhos do consórcio iniciaram em 1991 e em 1993 em parceria com o Daep, o consórcio passou a trabalhar preservando a nascente do ribeirão. Em 2003 foram feitos estudos de todos os serviços realizados no município com recursos da Fehidro, que apontaram que as ações feitas pelo Daep e Consórcio Intermunicipal Ribeirão Lajeado estão no caminho certo. Em 2008, foi feito um estudo técnico que apontou que se continuarmos fazendo este trabalho na bacia, o Ribeirão Lajeado estará abastecendo a cidade por um bom tempo.

Diário - Com o crescimento da cidade, o Ribeirão Lajeado tem mais quanto tempo de vida útil?
Vera - Eu costumo dizer que o rio morre quando deixamos de tratar ele. O município tem este trabalho focado, mas é importante citar que pode ter outras fontes alternativas para abastecer a cidade, mas com os serviços que são feitos, o ribeirão tem a capacidade de fornecer água por um bom tempo para a população.

Diário - No caso do Ribeirão Lajeado ter sua capacidade de fornecimento de água esgotado, qual a opção para resolver o problema?
Vera - Na realidade, foi feito um estudo que apontou alternativas para a cidade caso necessite “fechar” o Ribeirão Lajeado. A proposta que vamos fazer é criar um grupo de profissionais técnicos que irão estudar as alternativas colocadas para ver qual a mais viável. Após isso, estaremos expondo para a população estas alternativas, para assim vermos qual a melhor.

Diário - O Daep quase não realiza campanhas de conscientização da importância do uso racional da água e de sua economia. Se isso acontecesse diminuiria o consumo e conseqüentemente a arrecadação e isso não é interessante para o Daep. É esse o raciocínio?
Vera - Não é esse o raciocínio, porque trabalhamos constantemente com o Centro de Educação Ambiental a importância de conscientizar a população em economizar água. Há 10 anos atrás, o consumo de água na cidade era alto; hoje diminuiu bastante em virtude das campanhas realizadas durante todo este tempo. Notamos que a população está super consciente em economizar este bem precioso. Entre os serviços de conscientização, está a leitura de consumo feita em todas as residências onde caso notem que houve aumento no consumo, profissionais irão até este imóvel ver se por acaso existe algum vazamento para solucionar o problema e economizar o consumo daquela residência.

Diário - A população penapolense tem exagerado no consumo da água em relação à média regional? Existem estudos sobre isso?
Vera - Não tem exagerado, pois o consumo de água há 10 anos era 25 metros cúbicos por imóvel; hoje caiu para 16 metros cúbicos.

Diário - Neste Dia da Água, qual o recado que você deixa para a população penapolense.
Vera - O recado que deixamos neste dia é enfatizar que nosso foco é que a população tenha uma excelente qualidade de vida, proporcionando trabalho de saneamento básico de primeiro mundo. Que todos nós, enquanto cidadãos , saibamos usar em especial a água, não só na cidade como no mundo inteiro. Não é por sermos uma cidade privilegiada que vamos usar de qualquer maneira os recursos que são disponíveis. Estamos aqui sendo administrados pela população que colocou em nossas mãos esta autarquia para apresentar um trabalho sério e de qualidade, a qual agradecemos por estar fazendo a sua parte, colaborando e economizando os recursos, o que nos enche de orgulho. (IA)

Foto: Vera cita que hoje a cidade está em uma situação confortável

Enquête: População economiza o precioso líquido

A Reportagem percorreu as principais ruas da cidade na tarde desta sexta-feira, 20, fazendo a seguinte pergunta para a população: Você se preocupa em economizar água? Porquê? Confira as respostas:

Vera Lúcia, 28 anos, balconista
“Sim, pois fico preocupada com as próximas gerações que virão e poderão ficar sem ela”.

Adriana Geovana Rodrigues, 35 anos, vendedora
“Sempre me preocupei em economizar para não pagar mais caro, além de preservarmos o local onde vivemos, não tendo assim a preocupação de que possa faltar um dia”.

Suzeli dos Santos Bertan, 33 anos, vendedora
“É importante economizarmos para assim nunca faltar um dia”.

Keli Cristina de Almeida, 22 anos, vendedora
“Me preocupo bastante porque quem pode sofrer com a falta de água são as próximas gerações”.

Julio César Gonçalves, 21 anos, ajudante geral
“Preocupo em economizar, pois a água é um bem precioso que temos em nossas vidas e por isso temos que valorizar para que um dia não falte”.

CONFIRA AS FOTOS DOS ENTREVISTADOS NO JORNAL IMPRESSO.

VEJA TODAS AS NOTÍCIAS

© Copyright 2022 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.

Política de Privacidade