Classificados

VÍDEOS

Agrosoles - Bombeamento de Água por Energia Solar
Apaixonados por carros antigos se reúnem em Penápolis

SUA OPINIÃO

Você tem o costume de fazer movimentações bancárias pelos aplicativos para celulares?


CLIMA

Tempo Penápolis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endereço Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

GERAL

17/01/2020

Suspeito preso por matar e esquartejar advogado jogou mãos da vítima em córrego, diz polícia

Foto: Diogo Nolasco/TV TEM
Detalhes Not�cia
Jonathan, suspeito de matar advogado, é preso e levado para a cadeia de Pereira Barreto

O homem preso suspeito de matar e esquartejar o advogado Ronaldo César Capelari, de 53 anos, chegou a jogar as mãos e o celular dele no córrego Baguaçu, em Araçatuba (SP). A polícia procura pelo aparelho, que pode ajudar nas investigações.
“O celular não foi localizado. O suspeito disse que jogou no córrego, mas não achamos. Ele jogou as mãos da vítima no mesmo local. Ele não disse o motivo, como ele retalhou o corpo, a mão era menor. Foi a primeira coisa que ele descartou. Até acreditávamos que era para não identificar a vítima, mas ele disse que não”, afirmou o delegado Antônio Paulo Natal, em coletiva na manhã desta sexta-feira (17).
Desde o início das investigações, a polícia prendeu quatro homens e uma mulher. Três deles foram soltos pela Justiça a pedido da própria polícia. Continuam presos apenas a jovem Laís Lorena Crepaldi, de 20 anos, e o namorado dela, Jonathan de Andrade Nascimento, de 21 anos.
Laís foi encaminhada nesta sexta-feira para a cadeia de Dracena (SP) e o rapaz, para o presídio de Pereira Barreto (SP).
“No dia da prisão da moça e dos três investigados identificamos mais uma pessoa, que matou e esquartejou o advogado. Pedimos a liberação dos três detidos porque, a partir da prisão de todos, ficou evidenciado uma possível não participação deles, que será descartada totalmente apenas com laudos periciais, como impressão digital na casa e na caminhonete”, diz o delegado.
A polícia chegou até o namorado de Laís depois que uma testemunha disse ter visto Jonathan na casa antes de o crime acontecer.
“A princípio ele negou que estava na casa, mas acabamos confirmando a participação dele no crime com as declarações deles. Para nossa surpresa, ela mudou a versão e disse que os outros três não participaram e que ela mentiu para não incriminar o namorado”, diz o delegado.

(Com G1 Rio Preto e Araçatuba)

VEJA TODAS AS NOT�CIAS

© Copyright 2020 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.