Classificados

VÍDEOS

Apaixonados por carros antigos se reúnem em Penápolis
Agrosoles - Bombeamento de Água por Energia Solar

SUA OPINIÃO

Você mantém a tradição de colocar decorações de Natal em sua casa?


CLIMA

Tempo Penápolis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endereço Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

GERAL

19/11/2019

Exame de próstata dura apenas 10 segundos e pode salvar a vida do homem

Imagem/Reprodução
Detalhes Not�cia
Teste é rápido e indolor, mas cerca de 21% do público-alvo diz não fazer por não ser "coisa de homem"

Apesar de essencial para o diagnóstico do câncer de próstata, o exame de toque ainda é cercado de medos e preconceitos. Você já deve ter escutado uma piadinha sobre o check-up anual no urologista, ou conhece alguém que só descobriu a doença avançada por se recusar a passar pelo exame.
“O medo da dor, tanto física como simbólica, pode estar presente no imaginário masculino. (…) Ter ereção frente ao toque é outro medo. Ter ereção, que é uma possibilidade, pode fazer com que o homem pense que quem toca pode interpretar o fato como indicador de prazer. (…) Ficar descontraído, a pedido de quem faz o toque, para que o processo seja menos invasivo também pode trazer receios. O homem pode pensar que a sua descontração pode ser interpretada como sinal de que o toque nessa parte é algo comum e/ou prazeroso”, escreve o doutor em Saúde Pública Romeu Gomes no artigo Sexualidade masculina e saúde do homem: proposta para uma discussão.
Segundo uma pesquisa do Datafolha de 2018, encomendada pela Sociedade Brasileira de Urologia, e realizada com pessoas do sexo masculino acima dos 40 anos, 21% dos entrevistados dizem que, em geral, não fazem o exame por não ser “coisa de homem”; 48% acreditam que o público-alvo não faz o teste por machismo e 38% daqueles com mais de 60 anos, um grupo de risco, sequer acham relevante fazer o teste. O levantamento mostra que, apesar de ser o segundo tipo de câncer mais prevalente em homens, ainda faltam informação e desconstrução do machismo.
O urologista Rafael Rocha Vidal, do Centro de Oncologia do Hospital Santa Lúcia, explica que o exame dura apenas dez segundos e se introduz entre cinco e oito centímetros do dedo, dependendo do paciente. Há uma parede que separa o reto da próstata, mas ela é fina e é possível sentir um tecido com consistência de uma bola de borracha, um pouco mole como a área entre a palma da mão e o pulso. “É super rápido, indolor, e o que eu mais escuto, quando acaba, é a surpresa do ‘ué, é só isso?’. Acho que o paciente não sente medo, é preconceito mesmo. Há um tabu de se colocar um dedo no ânus e o homem deixar de ser homem”, afirma o médico. Segundo ele, os pacientes sabem bem o que é o exame, mas o receio ainda é grande e, na maior parte dos casos, o homem só chega no consultório por insistência das esposas, que agendam as consultas e cobram o exame preventivo.

(Com Metropoles.com)

VEJA TODAS AS NOT�CIAS

© Copyright 2019 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.