Classificados

VÍDEOS

Residência pega fogo em Penápolis
Penápolis no programa Cidade contra Cidade do SBT em 1989

CLIMA

Tempo Pen�polis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endere�o Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

GERAL

09/11/2023

Astrônomos descobrem o buraco negro mais distante, a 13,2 bilhões de anos-luz da Terra

Imagem/Reprodução
Detalhes Not�cia
Buraco negro é uma região do espaço onde o campo gravitacional é tão intenso que nem a luz consegue escapar de dentro dele

Astrônomos anunciaram a descoberta do buraco negro mais distante da Terra. Ele foi identificado a partir de dados combinados do observatório de raios-x Chandra e do telescópio espacial James Webb, da Nasa (agência espacial norte-americana).

Buraco negro é uma região do espaço onde o campo gravitacional é tão intenso que nem a luz consegue escapar de dentro dele. A intensa gravidade comprime a matéria até que não haja mais espaço entre os átomos.

Por meio do telescópio James Webb, os astrônomos encontraram a galáxia hospedeira, localizada a aproximadamente 13,2 bilhões de anos-luz de distância da Terra, e com o Chandra identificaram o buraco negro supermassivo, que tem uma massa igual à de sua galáxia. A descoberta foi divulgada na segunda-feira, 6.

A galáxia, nomeada como UHZ1, formou-se aproximadamente 470 milhões de anos após o Big Bang. Os pesquisadores acreditam que o buraco negro supermassivo tenha sido composto a partir de uma nuvem de gás e poeira e foi crescendo até se tornar tão massivo quanto todas as estrelas de sua galáxia hospedeira. Ele tem massa estimada entre 10 e 100 milhões de sóis.

Esse objeto continuará a ser estudado para que os pesquisadores tentem entender como buracos negros supermassivos podem atingir massas colossais tão pouco tempo após o Big Bang. Existem duas hipóteses principais: eles terem se formado a partir do colapso de estrelas mortas e crescido até se tornarem supermassivos, ou já terem surgido diretamente do colapso de nuvens gigantes de gás e poeira.

A descoberta resultou em dois artigos, um deles publicado no periódico Astrophysical Journal Letters e outro que ainda será veiculado na revista Nature Astronomy, mas já está disponível em versão prévia no site AirXiv.

"Existem limites físicos para a rapidez com que os buracos negros podem crescer após formados, mas aqueles que nascem com maior massa têm uma vantagem inicial. É como plantar uma muda, que leva menos tempo para crescer e se tornar uma árvore em tamanho real do que se você começou apenas com uma semente", afirmou o cientista e pesquisador Andy Goulding, da Universidade de Princeton (EUA), coautor do estudo da Nature Astronomy e autor principal do artigo no The Astrophysical Journal Letters.

(Com Estadão Conteúdo)

VEJA TODAS AS NOT�CIAS

© Copyright 2024 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.

Política de Privacidade