Classificados

VÍDEOS

LIVE SOLIDÁRIA BANDA TUNA
Agrosoles - Bombeamento de Água por Energia Solar

CLIMA

Tempo Penápolis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endereço Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

ESPORTES

11/04/2021

Renovação de Pirani com o Santos evolui, e acordo está próximo

Imagem/Reprodução
Detalhes Not�cia
Atualmente, o vínculo do atleta com o clube vai até dezembro de 2022

O Santos se aproxima de um acerto para renovar o contrato do penapolense Gabriel Pirani. As conversas haviam esfriado nos últimos dias, mas as coisas evoluíram e o assunto é tratado pelo clube como "bem adiantado". Apesar do avanço importante, o Peixe ainda não vê o negócio como fechado. O acordo discutido inicialmente é de um contrato de cinco anos. Atualmente, o vínculo do atleta com o clube vai até dezembro de 2022. Mesmo antes de sua chegada ao Brasil, o técnico Ariel Holan já gostou do trabalho do meio-campista, e vem dando oportunidades ao garoto de 18 anos no time principal. Menino da Vila, Pirani está no Santos desde os 13 anos. Já esteve em campo em sete jogos pelo profissional, tendo marcado um gol. 

FAMÍLIA
Matéria publicada pelo UOL destacou a vitória do Santos na última terça-feira, 6, sobre o San Lorenzo pela Libertadores e com bela atuação do meia Gabriel Pirani, filho de Marcos Pirani, que atualmente reside em Água Clara e trabalha na GreenPlac. 
A reportagem conta a história do pai que tomou uma importante e difícil decisão: se mudar para África e conseguir bancar as contas de Gabriel para manter o seu sonho vivo de ser um jogador profissional. 
Realizado, hoje Marcos colhe os frutos do esforço que fez e acompanha as belas atuações do filho na tranquilidade e segurança que a cidade de Água Clara lhe proporciona. Os caminhos do sucesso no futebol dificilmente são lineares. O sonho de se tornar jogador profissional é comum em território nacional, mas a forma como cada um atinge tal objetivo é infinitamente distinta entre si. Por vezes é necessário ficar milhares de quilômetros longe da família, ou até, no caso de Gabriel Pirani, a um continente de distância. O meia-atacante do Santos vem se destacando e deu belo passe para Marcos Leonardo sofrer pênalti convertido por Marinho na vitória por 3 a 1 sobre o San Lorenzo, pela fase preliminar da Libertadores. Foi em 2015 que seu pai, Marcos, precisou tomar uma decisão difícil para manter vivo o sonho do filho Gabriel: deixar para trás o negócio da família e se mudar para a República Democrática do Congo, na África, para trabalhar. 7,5 mil quilômetros separam a cidade de Penápolis, interior de São Paulo, do país africano. "Foi talvez a decisão mais difícil. Sempre fomos muito unidos, em todos os finais de semana estávamos em Santos. O Gabriel sofreu menos por estar com os avós. Eu e minha mãe sofremos demais e ainda ficamos cuidando da transportadora enquanto ele foi. Mas era o único jeito, não tinha como bancar todas as contas e pagar a prestação do Gabriel. Todo mundo teve que fazer um sacrifício por ele, mas tenho certeza que se fosse o contrário também seria feito, faríamos isso por qualquer pessoa da nossa família", contou Leonardo Pirani, irmão de Gabriel.
Como chegou ao Santos muito jovem, na categoria Sub-10 do futsal, Pirani não tinha idade para integrar o alojamento do clube. Os pais, então, tomaram a decisão de comprar um apartamento na cidade e enviar os avós do garoto para morarem com ele na cidade localizada na Baixada Santista.
Cerca de dois anos depois, a transportadora da família Pirani passava por dificuldades no interior de São Paulo e foi aí que o pai do jogador aceitou a proposta de uma empresa para a qual prestavam serviços para trabalhar na África. Marcos conseguia vir ao Brasil por 15 dias a cada quatro meses. Léo e a mãe de Pirani seguiram cuidando da empresa da família, que fecharia as portas no fim de 2015. No Congo, Marcos conseguia vir ao Brasil por duas semanas a cada quatro meses. Foi assim por três anos. Até que em 2017, o pai do jogador santista voltou ao país para trabalhar em uma empresa do mesmo grupo em Água Clara, no Mato Grosso do Sul. Atualmente, a família toda trabalha na empresa.
Apesar de ter chegado ao Peixe ainda no Sub-10 do futsal, Pirani também já atuava no campo pelo Sub-11 — onde foi bicampeão paulista na categoria. Antes do Peixe, a joia santista teve uma rápida passagem pela base do São Paulo, mas escolheu o Santos quando surgiu a oportunidade.
Alçado ao profissional no ano passado, Pirani estreou na última rodada do Brasileirão, mas ganhou destaque mesmo nesta temporada, já sob comando de Ariel Holan — que vê o jovem de 18 anos como uma das principais promessas do clube. Ele fez seu primeiro gol profissional na estreia do Santos na temporada 2021 — empate por 2 a 2 com o Santo André, pelo Paulistão. 

VEJA TODAS AS NOTÍCIAS

© Copyright 2021 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.

Política de Privacidade