Classificados

VÍDEOS

Residência pega fogo em Penápolis
Agrosoles - Bombeamento de Água por Energia Solar

CLIMA

Tempo Pen�polis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endere�o Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

ESPORTES

06/11/2020

Corinthians vai à CBF reclamar de pênalti e solicitar áudio do VAR

Imagem/Reprodução
Detalhes Not�cia
O juiz carioca assinalou pênalti de Lucas Piton durante o embate entre o clube paulista e o América/MG, pelas oitavas de final da Copa do Brasil

O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, vai à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) pessoalmente reclamar da arbitragem de Wagner do Nascimento Magalhaes. O juiz carioca assinalou pênalti de Lucas Piton após a bola tocar no braço do lateral, na noite de quarta-feira, durante o embate entre o clube paulista e o América/MG, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. Piton estava correndo, de costas para a bola, no momento do contato. Apesar da revolta dos atletas em campo, Wagner do Nascimento Magalhaes sequer foi ao monitor e confirmou a marcação, que resultou no gol que eliminou o Corinthians do torneio. Andrés avisou que pretende ouvir o áudio da conversa entre o árbitro do campo e o árbitro de vídeo (VAR). No caso, quem estava na cabine era Carlos Eduardo Nunes Braga, também do Rio de Janeiro.

Histórico
Não é a primeira vez que o Corinthians se sente penalizado pela arbitragem de Wagner do Nascimento Magalhaes. Em 2018, foi ele o responsável por comandar a final da Copa do Brasil entre o clube alvinegro e o Cruzeiro. À época, Magalhões anulou o gol de Pedrinho após ir ao monitor por causa de uma suposta falta de Jadson em Dedé, fora da jogada, e, assim, revogou o que seria a virada do Corinthians sobre a Raposa, que no fim ficou com o título.

Fifa é contra
O Corinthians não será o primeiro a solicitar o áudio do VAR. Foram raras as situações em que a CBF permitiu que dirigentes de clubes reclamantes pudessem ouvir, em espaço privado, trechos de conversas. O grande entrave é uma ordem da Fifa, definida em fevereiro deste ano, que foi enviada a todas as confederações e federações filiadas. Em documento oficial, a entidade que gere o futebol no mundo proíbe a divulgação dos diálogos do VAR, mas também deixa aberta a possibilidade de exceções, a se julgar a situação.

VEJA TODAS AS NOTÍCIAS

© Copyright 2022 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.

Política de Privacidade