Classificados

VÍDEOS

Agrosoles - Bombeamento de Água por Energia Solar
LIVE SOLIDÁRIA BANDA TUNA

CLIMA

Tempo Penápolis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endereço Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

CARTA DO LEITOR

09/02/2021

Se o Brasil fosse líquido

Mal raia o dia e já está na mesa o café da manhã, com açúcar, pão, manteiga, com recomeço e outros insumos de nutrir o corpo e a alma. Desse café também nasceu o “café da tarde”, refeição que no meio do corre propõe um momento de conforto e um convite discreto á filosofia do dia a dia.“Se os brasileiros dizem café da manhã, os franceses dizem “petit dejeuner”, traduzido ao pé da letra como “pequeno desjejum”, trazendo a sinergia incorrigivelmente romântica e francesa de acordar o corpo para o dia. Para os estadunidenses, o café da manhã é simbolizado por uma palavra sagaz: “breakfast”, (também) ao pé da letra traduzida como “pausa rápida”, expressão que veste justamente um povo que pauta o tempo da vida no ritmo do trabalho.“De maneira análoga, o café de todos-os-dias anda em consoância com a história do Brasil, sendo parte que compõe a própria estrutura desse enredo no que tange a números e palavras. Assim, culturalmente falando, o café criou pois dele não se sustenta uma nação sem que não haja mãos para cultivar e colher. Mãos pretas, indígenas, brancas, migrantes e imigrantes, mãos exploradas que carregaram e constituíram um país de commodities, e que sentiram as dores do café sem nunca deixar de apreciar seu sabor - carregando, não ironicamente, feito a nosso modo, um doce amargor. Essas mãos, do café, plantaram o que hoje chamamos de Brasil. “Diferente do jantar e do almoço, substantivos neutros que abrem a porta a interpretação do comer livre e diverso, o “café da manhã” e o “café da tarde” são  identitários, e carregam em cada sílaba de segundo uma graça que não perde a força, característica do ser-brasileiro e, antes disso, do ser-latinoamericano.

por Ana Luiza Bastos Lira, estudante, Penápolis/SP, por e-mail

Envie seu artigo para o "Carta do Leitor"

Envie-nos, atrav�s do e-mail carta@diariodepenapolis.com.br sua mensagem com cr�ticas, sugest�es ou para discutir algum assunto de interesse p�blico. A mensagem dever� conter seu nome completo, RG e endere�o de e-mail v�lido.

© Copyright 2021 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.

Política de Privacidade