Classificados

VÍDEOS

Penápolis no programa Cidade contra Cidade do SBT em 1989
Saudoso Tachinha e seu Ford 29 - entrevista de 2008 - por Ricardo Alves (Cacá)

CLIMA

Tempo Penápolis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endereço Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

ARTIGOS

14/06/2024

Amor, ódio e o futuro

Lulu Santos, quando ainda vivia com Scarlet Moon de Chevalier, compôs “Toda forma de amor”, lançada em 1988.
Uma das frases marcantes dessa música era: “Consideramos justa toda forma de amor”.
Será que toda forma de amor é justa, ou a palavra amor precisa ser contextualizada?
Segundo o Oxford Languages, amor é definido como: “forte afeição por outra pessoa, nascida de laços de consanguinidade ou de relações sociais”. Nesse último caso, podemos incluir o amor ao próximo e, por consequência, à vida!
Segundo a Enciclopédia de Significados, paixão é definida como: “um sentimento humano intenso e profundo, marcado pelo grande interesse e atração da pessoa apaixonada por algo ou alguém”. 
Assim, paixão não pode ser confundida com amor, pois a paixão pode transpor perigosamente a racionalidade, seja em relação a algo ou a alguém.
Não à toa, paixão aparece na definição de fanatismo também segundo o Oxford Languages: “zelo religioso obsessivo que pode levar a extremos de intolerância; faccionismo partidário; adesão cega a um sistema ou doutrina; dedicação excessiva a alguém ou algo; paixão”.
O amor pode se transformar em ódio?
Segundo a mesma fonte, ódio é: “aversão intensa geralmente motivada por medo, raiva ou injúria sofrida; odiosidade”.   
Com base nessas definições, amor e ódio não são antônimos, pois amor jamais poderia se transformar em ódio, pois isso trairia a essência de ambos.
Assim, não faz sentido nem o “amor ao mal” nem o “ódio do bem”, pois amar uma coisa não pode ser diretamente associado ao ódio a outra. Isso confronta a dialética e a própria racionalidade.
Não há como entender um amor que leva à morte, mas é bem comum um ódio que a justifica.
Amar a morte beira ao delírio de não amar a vida. E há ideologias e religiões que disseminam que matar e morrer em seus nomes serão premiados no pós-vida.
Isso não é amor!
E geralmente quem prega matar e morrer por “amor” a algo ou alguém não se coloca como agente, mas apenas como indutor.
O mesmo Lulu Santos gravou, em 1994, “Assim caminha a humanidade”.
Nela, salvo engano, ele apresenta uma visão semelhante à de Vinícius de Moraes, que em seu “Soneto da Fidelidade”, de 1939, afirmou: “Eu possa me dizer do amor (que tive):/Que não seja imortal, posto que é chama/, Mas que seja infinito enquanto dure”. Disse Lulu: “Não acredite que te quero mal./Apenas não te quero mais”.
O amor é uma emoção complexa, que jamais pode ser confundida com uma paixão autoconsumptiva ou que corra o risco de se converter em ódio ou repulsa.
Mas ao contrário de outra frase dessa música, o caminho da humanidade não tem sido “com passos de formiga e sem vontade”. Pelo contrário, ela tem caminhado de forma vertiginosa, desenfreada e nem sempre adiante. Nesse sentido, está mais para a afirmação de Cazuza, em “O tempo não para”: “Eu vejo o futuro repetir o passado. Eu vejo um museu de grandes novidades”.
De fato, ideias antigas surgem com novas roupagens, mas permanecem anacrônicas, tendo o amor e nobres ideais como mote, mas o ódio como meio consentido, por vezes fomentado, de consumação.
É triste ver o “amor” que vem sendo incutido nas novas gerações, despertar o desejo de morte de quem não segue o algo ou alguém que amam.
Isso não é amor, mas fanatismo que “pode levar a extremos de intolerância”.
Se é assim que caminha a humanidade, é preciso que famílias, educadores, religiosos e ideólogos revisem seus conceitos, sob pena de estarem projetando um futuro tenebroso, no qual a vida será apenas um item descartável, como já foi no passado e, na mente de alguns, continua sendo.

(*) Adilson Luiz Gonçalves é Escritor, Engenheiro, Pesquisador Universitário e membro da Academia Santista de Letras

Adilson Luiz Gonçalves (*)



© Copyright 2024 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.

Política de Privacidade