Classificados

VÍDEOS

Penápolis no programa Cidade contra Cidade do SBT em 1989
Residência pega fogo em Penápolis

CLIMA

Tempo Penápolis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endereço Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

ARTIGOS

14/03/2024

Como acabar com a estupidez?

Quando se vê o descaso da humanidade pelo aquecimento global, cuja causa é a crescente emissão de gases venenosos, duvida-se que exista racionalidade nessa espécie. Quando se assiste a espetáculos dantescos na Ucrânia e na Faixa de Gaza, reforça-se a convicção de que o bicho-homem é um animal estúpido. E não é preciso muito para verificar que a estupidez permite que pessoas habitem nas vias públicas, entreguem-se à droga e à mendicância, enquanto malfeitores se valem da miséria para enriquecer.
O calor que mata, os focos de incêndio no Pantanal, os rios secos na Amazônia e o Parlamento a discutir mais dinheiro para fazer propaganda política e a exigir cargos e emendas para aprovar projetos de interesse da população, conduz – tudo isso – à conclusão de que o projeto humano é um verdadeiro fracasso.
Os seres privilegiados com o pensamento atilado, com o privilégio de enxergarem o que a manada ignora, sofrem com isso. Mas fazem o que podem, para alertar os que queiram ouvir, de que é preciso converter cada indivíduo, para que haja salvação para todos.
No livro “Montevidéu”, o escritor espanhol Enrique Vila-Matas faz uma ficção que nos arremessa para a realidade. É uma obra escrita após o transplante de rim, cirurgia gravíssima e plena de riscos, mas que, bem sucedida, permitiu a ele renascer para uma ficção quase real.
Sua maior angústia em nossos dias é a estupidez: “Passou um século e o panorama mundial da imbecilidade se ampliou, o que embora continue sendo risível e nos dê material para o humor, é muito alarmante. Claro que, no fundo, catástrofes de tal magnitude já foram previstas por Flaubert, quando ele disse que havia um só mal que nos afligia: a estupidez”.
Sim. Enquanto a inteligência, a generosidade, a retidão, constituem atributos raros, a imbecilidade é distribuída com fartura. “É uma estupidez temível e universal. Por exemplo, quando se fala no embrutecimento das massas, falamos em termos injustos e incompletos, já que na realidade seria necessário ilustrar as classes ilustradas, começando pelas que estão no poder para nos entendermos. É a mais inculta que já existiu. Deveríamos começar pela elite, educar a ignorante classe política. E quem será corajoso para tentar?”.
Para início de conversa, o que é elite? Os que mandam podem ser hoje considerados uma elite? Ou parece que o próprio significado de “elite” precisaria ser revisto?

(*) José Renato Nalini é Reitor da UNIREGISTRAL, docente da Pós-graduação da UNINOVE e Secretário-Geral da ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS.    

José Renato Nalini (*)



© Copyright 2024 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.

Política de Privacidade