Classificados

VÍDEOS

Residência pega fogo em Penápolis
Penápolis no programa Cidade contra Cidade do SBT em 1989

CLIMA

Tempo Penápolis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endereço Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

ARTIGOS

27/02/2024

Música Sertaneja: Ataide e Alexandre

Imagem/Reprodução
Detalhes Notícia

Amigo amante da música sertaneja hoje você vai conhecer um pouco da história da dupla Ataíde e Alexandre.
Nelson Amado de Ataíde, o Ataíde nasceu em 1944 no município de São José do Rio Preto-SP. Lanny Ricardo de Oliveira, o Alexandre nasceu em Carmo do Rio Claro-MG, em 26 de julho 1955. 
Ataíde começou a tocar viola com oito anos de idade. Alexandre começou a cantar aos 15 anos. Em 1982, ele participou do programa “Linha Sertaneja Classe A”, na rádio Record, do qual participavam muitos nomes importantes na época. A primeira fase da dupla começou no princípio dos anos de 1980. 
Em 1983, lançaram pela RCA o primeiro disco, onde se destacou a composição “Fingindo dormir”, de Marciano e Darci Rossi. Com o sucesso obtido, receberam o troféu “Meninos da Porteira”, como dupla revelação do ano. Em 1984, gravaram o segundo disco, desta vez pela gravadora Continental. Em 1985, alcançaram sucesso com a composição “Você marcou pra mim”, mesmo nome de seu terceiro disco, e com o qual ganharam o primeiro disco de ouro. 
 Em 1990, a dupla se desfez, com a saída de Ataíde. Alexandre formou durante dois meses uma dupla com Zezé di Camargo, que não foi adiante. Com a volta de Zezé di Camargo para Goiânia, Alexandre acabou procurando seu irmão de nome também Ataíde que nasceu em Mogi Mirim-SP em 13 de fevereiro e que já fizera parte da banda que acompanhava a dupla anterior, fazendo back vocal. Em 1996, a nova formação lançou o primeiro disco, pela gravadora Velas, com destaque para as composições “Não brinque comigo” e “Página rasgada”.
Fora o sucesso como cantor, Alexandre é apontado pela crítica e imprensa como um dos principais compositores do meio sertanejo, com mais de 1.500 composições gravadas. Ele já teve suas canções interpretadas com muito sucesso por diversos artistas.
Destaque para Chitãozinho e Xororó (Página de Amigos), Raça Negra (Deus me Livre), João Paulo e Daniel ( Hoje eu Sei ), Rick e Renner (Cara de Pau), Bruno e Marrone (Apaziguar), Zezé di Camargo e Luciano (Nóis Namora), Rionegro e Solimões (Ô de Casa Ô de Fora), Eduardo Costa (Amor de Violeiro), Milionário e José Rico (Quem Disse que Esqueci), Gino e Geno (Eu Já Fui de Você), entre outras.
Requisitado por diversos músicos intérpretes, Alexandre tem como sua principal essência de composição o romantismo. Uma trajetória de muito sucesso, com muitos shows e hits que marcaram a música sertaneja. Essa é a maneira mais direta de resumir a trajetória artística da dupla Ataide e Alexandre, na ativa há quase 40 anos, com canções românticas, dançantes e composições do cancioneiro rural e urbano.
Resumindo nossa escrita. O Alexandre ficou com o nome da dupla, chamou o irmão pra cantar com ele, conquistou um prestígio considerável, sendo grande referencia na musica sertaneja. Mas o Ataíde “antigo” continua na estrada. Há uns anos formou a dupla “Ataíde & Alessandro”, mas não deu certo.
Depois de diversas brigas na justiça por causa da patente do nome Alexandre teve que mudar o nome do irmão para Althair e assim a dupla se apresenta até então como Althair & Alexandre. Já Ataíde da formação original está se apresentando com o seu filho Serginho Ataíde e então a dupla está se apresentando como Ataíde & Ataíde. Amigos semana que vem amigos tem mais curiosidades e histórias da nossa música sertaneja, grande abraço.

 

(*) LUIZ HENRIQUE PELÍCIA (Caipirão) tem o programa “Clube do Caipirão” transmitido para mais de 200 rádios em todo o Brasil diariamente. Apresenta de segunda a sábado das 05h às 08h da manhã o programa “Diário no Campo” pela FM DIÁRIO 89,9 de São José do Rio Preto/SP. Caipirão escreve às terças-feiras para o jornal DIÁRIO DE PENÁPOLIS.

Luiz Henrique Pelícia (Caipirão) (*)



© Copyright 2024 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.

Política de Privacidade