Classificados

VÍDEOS

Residência pega fogo em Penápolis
Penápolis no programa Cidade contra Cidade do SBT em 1989

CLIMA

Tempo Penápolis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endereço Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

ARTIGOS

17/02/2024

Telas Digitais versus Saúde Mental

Estudo da Universidade Federal do Paraná aponta que: sem limite de idade, o uso excessivo de telas piora saúde mental de diferentes gerações. A tese foi defendida no Programa de Pós-graduação em Medicina Molecular da Faculdade de Medicinada UFMG. A pesquisa constatou o medo de idosos de ficar longe do celular e 72% das crianças avaliadas tiveram aumento da depressão associado ao abuso da exposição a telas. A pesquisa também constatou que o uso de telas pelos pais para a distração de crianças cria um distanciamento entre filhos e pais, podendo provocar um aumento da disposição para a depressão nas crianças. O neurocientista francês Michel Desmurget, autor do livro A Fábrica de Cretinos Digitais, adverte para o perigo das telas para as crianças: “Constante bombardeio perceptivo; desmoronamento das trocas interpessoais (especialmente intrafamiliares); perturbação qualitativa e quantitativa do sono; amplificação das condutas sedentárias; e insuficiência de estimulação intelectual crônica”. Ney Fonsêca, pediatra, orienta pais sobre a nocividade das telas na formação do cérebro de crianças, que se dá até os dois anos. Advertiu o especialista, numa entrevista: “Telas são formalmente contraindicadas e a dependência virtual é rápida e vicia”. Ele exemplifica que, quando a criança vê numa tela a imagem de um navio chegando numa ilha, o cérebro não cria nada ... Fonsêca orienta que a criança precisa, para a boa formação do cérebro, de afeto, carinho, boa música e aleitamento materno. Lúcia Moysés, doutora em Psicologia Educacional, no seu livro “Para Além das Telas Digitais”, também chama à atenção sobre esse tema: ... Estudos científicos vêm apontando que crianças que passam mais de quatro horas diárias conectadas estão mais propensas a desenvolverem ansiedade, depressão e baixa autoestima do que as que passam pouco tempo no espaço virtual, e optam por vivenciar atividades próprias do mundo real”. Mas, qual a razão de o mundo virtual ser mais atrativo do que o real? A autora acima, responde com propriedade: “... E é fácil entender o porquê: no mundo virtual as aparências predominam sobre a realidade ...”. Freud explica: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e não vivem sem elas”. O mundo virtual torna-se refúgio ou espaço em que se mentaliza uma vida idealizada, ou seja, como se gostaria que fosse. Nas redes sociais, em regra, o medíocre fica inteligente; o franzino, forte; o introvertido, torna-se orador ... O lema no mundo virtual, para a grande maioria, é: “esteja bem ou mal, mostre-se bem e bonito (a) na rede social”. Lúcia Moysés apresenta no referido livro uma interessante “fórmula dos quatro passos”, em relação ao uso de telas, recomendado por neuropediatras às crianças: “não de manhã; não durante as refeições; não no quarto e não na hora de dormir”. Enfim, necessário lembrar de que o humano não é robô ou IA (inteligência artificial) e precisa interagir com pessoas, animais e plantas. 

 

(*) Adelmo Pinho é promotor de Justiça do Tribunal do Júri em Araçatuba/SP. Este articulista escreve periodicamente para o jornal DIÁRIO DE PENÁPOLIS. E-mail: adelmopinho@terra.com.br

Adelmo Pinho (*)



© Copyright 2024 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.

Política de Privacidade