Classificados

VÍDEOS

Agrosoles - Bombeamento de Água por Energia Solar
Residência pega fogo em Penápolis

CLIMA

Tempo Pen�polis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endere�o Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

ARTIGOS

18/06/2022

Ser e parecer

Imagem/Arquivo Pessoal
Detalhes Not�cia

Analisemos a seguinte situação: você encontra uma pessoa conhecida na rua, conversa com ela, mas quando a vê novamente no mesmo dia, numa festa, ela finge que não te conhece. Por que isso ocorre? A sociologia pode explicar o porquê disso. Eduardo Giannetti, no livro “Trópicos Utópicos”, Editora Companhia das Letras, discorre sobre o ser e o parecer de forma bem interessante. Nas relações pessoais de amor e amizade, no trabalho e no social há sempre mais coisas que pensamos do que expressamos. Cita o autor acima Volteire (filósofo iluminista francês), com a frase: “os homens inventaram a linguagem com o intuito de ocultar seus pensamentos”. É fato. Na vida prática haverá sempre uma distância entre aquilo que é ser – aquilo que genuinamente pensamos, e o parecer – aquilo que efetivamente externamos. Muitas vezes agimos como se estivéssemos de máscara, nos ocultando dos outros ou até de nós mesmos. São os papéis que a sociedade nos impõe, que faz com que deixemos de nos reconhecer e até busquemos uma terapia. Giannetti menciona Kant (filósofo prussiano): “quanto mais civilizados se tornam os homens, mais eles se tornam atores; eles desejam montar uma cena e fabricar uma ilusão”. Existe, assim, uma linha muito tênue entre a falsidade – que é o contrário à verdade, e o exercício de um “papel social”. A hipocrisia ou a dissimulação não são equivalentes a um papel social. O equilíbrio entre o voluntário – aquilo que se pensa, e o artificial – como exteriorizo o pensamento, é o ideal para a convivência consigo mesmo e com terceiros. É certo que, não é necessário dizer sempre o que realmente se sente, mas também não se pode ocultar de todo o pensamento ou o sentimento, senão o “eu” seria anulado. Em síntese, podemos, assim, exercer os diversos papéis que a sociedade nos impõe para vivermos de forma civilizada, mas nem por isso precisamos ser hipócritas. 

(*) Adelmo Pinho é promotor de Justiça do Tribunal do Júri em Araçatuba/SP. Escreve aos sábados para o DIÁRIO DE PENÁPOLIS. E-mail: adelmopinho@terra.com.br

Adelmo Pinho (*)



© Copyright 2022 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.

Política de Privacidade