Classificados

VÍDEOS

Residência pega fogo em Penápolis
Agrosoles - Bombeamento de Água por Energia Solar

CLIMA

Tempo Pen�polis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endere�o Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

ARTIGOS

08/05/2022

Saudades de nós mesmos

À medida em que o tempo escoa e quem percebe isso assimila a noção de que resta pouco a fruir desta aventura, passa a sofrer mais frequentes e inclementes momentos de melancolia. Tende a transportar-se para o passado, onde parece que tudo já foi mais bonito, mais colorido e mais promissor. 
Esse território inexpugnado é o refúgio tranquilo de quem não se conforma com o retrocesso generalizado, em todos os âmbitos. Inegável que a vida ficou mais feia do que era. Ou de que parecia ser.
Seria recuperável a era gloriosa em que se foi adolescente, idealista e sonhador? O retorno aos cenários primitivos parece convidativo.
A revisita a lugares físicos armazenados afetivamente na memória é frustrante. Se ainda existem, pois a regra corrente é a demolição do belo e sua substituição pelo tosco, eles não parecem agora tão sedutores. A dimensão imaginada é sempre excessiva na comparação com o real. Onde o encanto, o clima envolvente, a sensação de quase levitar?
Compreensível abrigar-se no espaço virtual. Ali, o redesenho é meu. Posso retocar os detalhes, atenuar o desconforto, deter-me naquilo que me afaga. E o afago está sempre no coração. 
Amores antigos são hoje cicatrizes que ainda doem. Como é que fomos atraídos por um olhar, um sorriso, ou o que foi que nos seduziu? Poderia ter sido diferente? Soubéssemos o que aconteceria conosco teríamos agido de forma diversa? O que nos levou a tal escolha? Ou, na verdade, como é que fomos escolhidos?
Os arquivos da lembrança vão se povoando de seres amados. Quase todos já se foram. Não há refil para aqueles entes queridos que vão embora. Impossível deixar de cotejar os padrões dos que se foram com os atuais. A humanidade foi um projeto fracassado? Ou é nostalgia da velhice, a certeza de que já se aproxima “the final courtain”?
Na verdade, somos muitos e sofremos golpes de variada intensidade. A mente racional é um labirinto intrincado, inexplicável até para os profissionais da psicanálise. Que ser estranho esse, que tem saudades dele mesmo!
 
(*) José Renato Nalini é Reitor da UNIREGISTRAL, docente da Pós-graduação da UNINOVE e Presidente da ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS – 2021-2022
José Renato Nalini (*)



© Copyright 2022 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.

Política de Privacidade