Classificados

VÍDEOS

Agrosoles - Bombeamento de Água por Energia Solar
LIVE SOLIDÁRIA BANDA TUNA

CLIMA

Tempo Penápolis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endereço Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

ARTIGOS

29/05/2021

Alteridade e sociedade digital

Alteridade é um conceito muito caro no campo da filosofia e da antropologia. Do ponto de vista conceitual e de uma forma bem simplificada, alteridade é a capacidade de se colocar no lugar do outro em todas as circunstâncias e, sobretudo, naqueles momentos de dor, angústia e sofrimento do outro. Mas, principalmente, alteridade se refere ao reconhecimento do outro como parte de uma cultura diferente da minha e, portanto, por ser apenas diferente deve ser reconhecido e respeitado para que a convivência seja possível e respeitosa. 
Historicamente, a alteridade sempre foi um conceito pouco praticado pelas sociedades humanas nos mais diferentes espaços e temporalidades. No mundo greco-romano o outro é o “bárbaro”, aquele que não falando a língua oficial não tem o direito de compartilhar dos mesmos direitos e, por isso, vistos como inferiores. Na Europa Medieval, o outro é o herético, ou seja, aquele que por diferentes razões não segue os ritos e tradições religiosas oficiais estabelecidas pelo cristianismo católico.  
Não reconhecer o outro como alguém que faz parte da cultura humana, no sentido mais plural, resultou no extermínio e na violência praticadas por lideranças – políticas, econômicas e religiosas - e seguidores contra todos aqueles que representam o “desvio” daquilo que é considerado o correto, o normal, o virtuoso. E nesse longo processo histórico de não reconhecimento do outro, práticas de exclusão e extermínio torna-se dominante e justificadas por tese e retórica embasadas na ameaça que o outro, supostamente, poderia causar ao grupo dominante. 
Na modernidade, as revoluções e o alargamento do horizonte geográfico ampliaram a intolerância dos que se consideravam vencedores diante daqueles que por razões várias foram eleitos não como o outro, mas o “diferente a ser eliminado”, o que não pensa como o dominante e, portanto, podem ser explorados para fins de acumulação. Indígenas, negros, operários, imigrante, pobres, e ampliando o espectro do não reconhecimento do valor do outro, as mulheres e os homoafetivos, tornam-se as vítimas preferenciais da moderna forma de intolerância e de eliminação dos chamados “intrusos”. 
O efeito mais recente das (não) práticas da alteridade tem se dado com o advento, na contemporaneidade, por conta dos mecanismos instrumentalizados pela tecnologia digital que levou para ambiente virtual disputas sobre a vida real. As redes sociais e todos seus braços trouxeram para seu mundo disputas que poderiam ser resolvidas pelas facilidades dos contatos. Ao contrário: as redes sociais amplificaram o desrespeito à alteridade e se tornaram veículos para justificar o extermínio através de novas formas de linguagens, inclusive, tal como lançar mão da palavra “cancelamento”. 
A sociedade digital, através de suas redes sociais ou profissionais, reafirma a realidade histórica, dando maior verbalização à opiniões e menos ao conhecimento. Opiniões pessoais só fazem sentido quando embasadas em conhecimento científico, pois que, do contrário, se transforma em preconceito. As redes sociais, fenômeno do individualismo e narcisismo, além de braço da sociedade digital, são tudo menos o reconhecimento do outro, quando apenas sugere ou exige um like. 

(*) Rubens A. Correa, doutor em História pela UNESP e professor do IFSP campus Birigui

Rubens A. Correa (*)



© Copyright 2021 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.

Política de Privacidade