Classificados

VÍDEOS

Agrosoles - Bombeamento de Água por Energia Solar
Apaixonados por carros antigos se reúnem em Penápolis

SUA OPINIÃO

Você aprova as novas placas do Mercosul que estão sendo adotadas em todo o Brasil?


CLIMA

Tempo Penápolis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endereço Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

ARTIGOS

10/12/2019

Música Sertaneja: Eli Silva e Zé Goiano

Imagem/Reprodução
Detalhes Not�cia

Elias José da Silva, o Eli Silva, nasceu em Farol, no estado do Paraná, no dia 03 de dezembro de 1954, e faleceu no dia 25 de junho de 2010, na Rodovia Marechal Rondon, entre os municípios de Lençóis Paulista e Areiópolis/SP. Milton Aparecido Marquetti, o Zé Goiano, nasceu em Avaí, no interior do estado de São Paulo, no dia 17 de março de 1948, e faleceu no dia 19 de setembro de 2012.
Além do trabalho no sítio da família no interior do Paraná, onde residia, Elias também foi engraxate e cobrador de ônibus.
Em 1977, trocou seu estado natal pela cidade de Areiópolis, no interior do estado de São Paulo, onde trabalhou numa fazenda com máquinas agrícolas. Mudou-se depois para Lençóis Paulista. Já adotando o nome artístico de Eli Silva, formou dupla com Deglair e gravou o primeiro LP em 1985. A dupla “Eli Silva e Deglair” gravou um total de dois LP’s até que em 1989, Eli Silva passou a cantar em dupla com Marabá. A dupla “Eli Silva e Marabá” gravou apenas um LP, tendo sido desfeita logo em seguida.
Milton também foi criado numa fazenda, onde foi peão de boiadeiro e tratorista. Em 1968, mudou-se de Avaí para Reginópolis, onde trabalhou por algum tempo num circo em duas perigosíssimas atrações: trapézio e “globo da morte”.
Foi nessa época que Milton passou a se interessar pela viola caipira pois, no mesmo circo onde trabalhava, quando do encerramento dos espetáculos, apresentavam-se duplas caipiras famosas, como Tonico e Tinoco, Zé Carreiro e Carreirinho e Tião Carreiro e Pardinho. E, observando o pontear da viola nos dedos do mestre Tião Carreiro e também do Bambico, Milton foi adquirindo o gosto pela arte do tradicional instrumento caipira.
Algum tempo depois, Milton trocou o circo pelo caminhão e, trabalhando como motorista (carreteiro), levava sempre na boléia a sua viola que era uma companheira inseparável.
E, no ano de 1971, integrando a dupla “Valdir e Valdenir”, Milton chegou a se apresentar no programa “Na Beira da Tuia” (de Tonico e Tinoco), na Rádio Bandeirantes de São Paulo.
Milton se mudou então para Bauru. Sem largar a viola, foi proprietário de oficina, de loja de material de construção e novamente voltou a ser carreteiro. Em 1992, numa roda de amigos violeiros, que o Zé Goiano conheceu o Eli Silva, que fazia parte da roda, juntamente com Carlos Tadeu Vieira, que apresentou ao grupo o violeiro e compositor que já tinha o pseudônimo de Zé Goiano. Após cantarem umas três músicas para ver se dava certo, nasceu a dupla “Eli Silva e Zé Goiano”.
Nesse mesmo ano, a nova dupla venceu o Festival Sertanejo de Guarulhos com a música “Meu Pequeno Território”.
No ano seguinte foi gravado o primeiro LP de “Eli Silva e Zé Goiano”, pela gravadora MM, com destaque para “Meu Pequeno Território”. Tendo sido lançado no final do ano, em 1994 a dupla se dedicou ao aproveitamento desse trabalho e também ao preparo e gravação do segundo LP, que foi lançado em 1995, também pela MM, com destaque para “O Machado e a Moto-Serra”. Ambos os LPs foram também lançados num CD pela MM em 1996.
Pouco tempo depois que Eli Silva e Zé Goiano se conheceram, a música caipira perdia um dos seus maiores expoentes que foi Tião Carreiro, em 1993. Com esse espaço vazio que foi deixado, a Laser Records convidou a dupla no início de 1997 para fazer um trabalho retratando as músicas do Criador e Rei do Pagode e o CD que foi gravado teve sua tiragem esgotada em menos de seis meses. Eli Silva e Zé Goiano também gravaram mais duas coletâneas em 1997 e 1998, homenageando o mestre Tião Carreiro.
E a produção discográfica da dupla não parou por aí. Em 1999 foi lançado o terceiro CD na Laser Records, com o título “Só Moda de Viola”.
Em 2000 a dupla gravou um CD intitulado “Paixão Brasileira”. Em 2004 a dupla lançou o CD “Sonhando com O Pantanal”.
Após ter gravado 10 discos de carreira (entre LP’s e CD’s), além de dois CD’s de coletânea, a dupla Eli Silva e Zé Goiano se desfez no início de 2007. Eli Silva formou dupla com Zé Carvalho, enquanto que Zé Goiano formou dupla com Rei do Valle que, por sua vez, também havia desfeito a dupla com o Tocantins.
Um acidente de automóvel, no entanto, interrompeu bruscamente a carreira musical de Eli Silva que faleceu às 22 horas de 25 de junho de 2010, na Rodovia Marechal Rondon, entre os municípios de Lençóis Paulista e Areiópolis. Zé Goiano também veio a falecer dois anos após, em 19 de setembro de 2012, vítima de um acidente automobilístico ocorrido na rodovia vicinal Vanglória/Pederneiras, no Dia dos Pais (12/08/2012), e ficou internado na UTI do Hospital de Base de Bauru por mais de um mês, mas infelizmente não resistiu.

(*) Luiz Henrique Pelícia (Caipirão) tem o programa ‘Clube do Caipirão’ na Rádio Ativa FM 93,5 - segunda a sexta das 04:00 às 06:30 da manhã, domingo das 05:00 às 10:00 horas - www.clubedocaipirao.com.br . Caipirão escreve às terças-feiras para o DIÁRIO DE PENÁPOLIS

Luiz Henrique Pelícia (Caipirão) (*)



© Copyright 2020 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.