Classificados

VÍDEOS

Apaixonados por carros antigos se reúnem em Penápolis
Agrosoles - Bombeamento de Água por Energia Solar

SUA OPINIÃO

Você mantém a tradição de colocar decorações de Natal em sua casa?


CLIMA

Tempo Penápolis

fale com o DIÁRIO

Fone Atendimento ao assinante & comercial:
+55 (18) 3652.4593
Endereço Redação e Comercial: Rua Altino Vaz de Mello, 526 - Centro - CEP 16300-035 - Penápolis SP - Brasil
Email Redação: redacao@diariodepenapolis.com.br
Assuntos gerais: info@diariodepenapolis.com.br

ARTIGOS

15/11/2019

É hora de reflexão

Tudo está mudando. Mas o ser humano que vai alterando tudo continua humano.
Uma estrutura física que pouco se alterou desde que ficou conhecido nas imagens gravadas nas pedras, até hoje estudadas por muitos nos setores da cultura.
Só que o sistema de vida, tanto individual como coletiva vem sofrendo alterações profundas.
Começamos pelas vestimentas que se transformaram em modernas e afastam os estilos um pouco mais antigos.
Calças jeans. Quem as usa é brega. Pouco se sabe que tem origem nos trabalhadores rurais americanos.
Exportaram as calças LEE como modelo de alta costura. E os “bregas” pagam royalties para roupas bregas que se transformaram em roupas da geração cristal atual.
A 2ª Guerra Mundial por necessidade fez desenvolver roupas sintéticas. A seda e o algodão perdem espaço. Pagamos por isso como propriedade de outros países.
Assim, também, programas de televisão são na maioria criação de outros países. Pagamos por isso.
A dificuldade de quantidade de couro para a confecção, principalmente de calçados levou a criação dos calçados de plástico.
Hoje quem não usa os chamados tênis é brega.
Só que pagamos para os criadores de calçados de plástico, transformados em calçados modernos.
Pagamos pelas dificuldades dos outros e transformamos suas criações bregas em artigos de luxo e modernos.
Assim fica difícil o nosso desenvolvimento que fora baseado na cultura do café engolida pelos cafés produzidos em alta definição por outros países.
Precisamos nos definirmos com as nossas coisas.
Precisamos assumir as nossas características e a nossa capacidade de criação e produção.
Já tivemos os automóveis GURGEL que sufocamos e, também, a grande promessa dos automóveis “Presidente” que sufocaram antes de nascer.
O Brasil tem que deixar de ser um país do futuro, que já está presente e ainda não demos conta.
Haja calças de brim de rancheiros e calçados de plástico para quem tem a melhor indústria de calçados de couro no mundo.

(*) Vanir Cavicchioli é penapolense e ex Diretor das EE Marcos Trench e Augusto Pereira de Moraes, ex Supervisor de Ensino na DRE de Penápolis, ex Professor e ex Diretor da FFCL de Penápolis, ex Supervisor de Ensino na DER Lins. Escreve toda sexta-feira para o DIÁRIO DE PENÁPOLIS. E-mail: vanir-cavicchioli@bol.com.br

Vanir Cavicchioli (*)



© Copyright 2019 - A.L. DE ALMEIDA EDITORA O JORNAL. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total do material contido nesse site.